Boipeba: como chegar, onde comer, onde ficar e o que visitar

Depois de conhecer Morro de São Paulo, seguimos para outro paraíso baiano: Boipeba!

Como chegar em Boipeba

Nós saímos de Belo Horizonte e fomos até Valença de moto. Nesse post aqui explicamos onde deixar a moto, onde pegar o barco pra Boipeba e quanto custa.

É possível chegar de avião teco teco também, vindo de Salvador, mas não olhamos o preço.

Ficamos sabendo pelos moradores que é possível pegar um barco em Barra de Carvalho, um povoado no continente, que leva motos pra ilha. Eles te deixam no povoado Cova da Onça e custa R$ 50. Porém, essas motos não podem andar no centro da cidade e não sabemos se é permitido só para moradores.


Boipeba

A ilha de Boipeba pertence ao município de Cairu e possui 3 povoados:

  • Velha Boipeba: é a vila principal da ilha, onde chegam os barcos vindos do continente. Tem muitas opções de pousadas e restaurantes. Ficamos hospedados aqui.
  • Moreré: é onde ficam as famosas piscinas naturais. Há poucas pousadas e restaurantes.
  • São Sebastião (ou Cova da Onça): é um povoado no sul da ilha, mas, pelo que pesquisamos, pouco procurado para hospedagem (fica mais longe das atrações de tudo).

Uma dica importante: poucos lugares aceitam cartão e não há caixa eletrônico. Leve dinheiro.

 

 

Todo o transporte pela ilha é feito por trator ou moto táxi. A passagem do trator de Velha Boipeba até Moreré custa R$ 10 por pessoa e a viagem dura uns 20min. Não há horário certo pra saída porque é preciso completar no mínimo 10 passageiros pra sair. Normalmente a gente ia pro ponto umas 10h e esperava de 5min a 30min pra sair. Qualquer pessoa pode te informar onde fica o ponto. E não vá esperando nada glamouroso! Ele é assim:

img_8580


Pousada Casa Verde

Ficamos na pousada Casa Verde, muito perto do atracadouro onde chegam os barcos. Fica na pracinha principal da vila, onde há várias opções de restaurantes, mercadinho, farmácia… Fica há uns 10 min de caminhada do ponto onde pegamos os tratores para ir até Moreré.

img_8671

Pagamos R$ 170 na diária e foi a melhor pousada da viagem! Ficamos em um quarto no segundo andar, grande e bem equipado. O lugar estava super tranquilo e silencioso.

Agora o café da manhã… Precisamos de um post a parte para falar dele! A dona da pousada, Dona Maria, é uma simpatia só. Todos os dias chegava pra gente com tapioca feita na hora, cuscuz, pães e bolos típicos, bolinho de estudante frito na hora, tortinhas diferentes, banana da terra cozida e frita, frutas, sucos de graviola, cupuaçu, cajá e todas essas delícias… A gente comia tanto que íamos almoçar só a tarde :O

img_9068

img_9069

img_9070

Dica: pela localização da pousada, bem na praça principal, talvez seja melhor olhar se a data que você vai não coincide com grandes festas na cidade.


Restaurantes e outras comidas

-Pizzaria La Vita é Bella: fica em uma rua logo depois da pracinha principal. O dono é italiano e muito simpático. Tudo que comemos estava MARAVILHOSO! Pedimos bruschettas de abobrinha com ricota e de berinjela com parmesão:

img_9176

E uma pizza metade marguerita e metade bacon com berinjela e parmesão:

img_9181

 

Varanda Cantina: fica bem na pracinha principal, com as mesinhas no gramado. Comemos bruschetta de entrada e eu pedi nhoque com molho de tomate e manjericão, e Adriano bife de chorizo com batatas. Estava bem gostoso e fomos atendidos muito bem. Os pratos foram em torno de R$ 30~R$ 40.

img_8954

img_8958

img_8960

 

-Altas Ondas: fica na pracinha principal também e achamos o preço bem em conta (no máximo R$ 30 os pratos que comemos). Pedi um risoto de camarão MARAVILHOSO e Adriano um sanduíche de frango a milanesa com molho especial da casa.

img_8836

img_8837

Ainda teve uma entradinha de pães com uma pastinha super gostosa:

img_8824

 

-Barraquinhas da pracinha: a noite, as barraquinhas de comida abrem e fica bem movimentado. Comemos quase todos os dias na barraca “Tapioca da Praça“. Preço bom, e tapioca e sucos naturais deliciosos! Nessas barracas também tem pastéis, acarajé, bolinhos e tudo de gostoso da Bahia :P

img_9074

img_9075

 

-Capirinhas: isso precisa ser uma dica a parte. Em qualquer barraquinha você encontra todo tipo de caipirinha feito com frutas do cerrado e outros sabores exóticos. Recomendamos experimentar tudo! Provamos de pitanga (<3), manga com limão, umbu, siriguela e biriri com cacau (uma fruta azedinha deliciosa – e a minha preferida).

 

Há muitaaas opções de restaurante. A gente foi em vários pra olhar preços e a maioria eram absurdos (tipo um crepe por R$ 40). Gostamos muito desses que fomos, principalmente da pizzaria!


Lugares pra visitar

Fora as praias, piscinas naturais e manguezal, há poucas atrações diferentes (como se essas maravilhas naturais não bastassem :P).

  • Museu do Osso: é uma casa com uma sala cheia de esqueletos de animais marinhos e objetos encontrados no mar. Só passamos pela rua e espiamos pela janela, não chegamos a entrar.
  • Igreja do Divino Espírito Santo: fica no centro da vila.

img_9171

  • Convento e Igreja de Santo Antônio, em Cairu: um passeio de barco pode te levar até essa construção histórica.
  • Ver o pôr-do-sol no Rio Inferno: a vista é incrível e vale a pena ver pelo menos uma vez. A melhor vista é do atracadouro de Velha Boipeba.

img_9156

img_9160

 

Veja também