Cachoeira Santo Antônio em Morro Vermelho

Caeté + Cachoeira em Morro Vermelho

Caeté fica muito pertinho de Belo Horizonte (1h, com trânsito bom) e faz parte da Estrada Real. Dessa vez, a gente não foi pra visitar a Serra da Piedade, e sim pra ficar em uma pousada e andar lá por perto mesmo.

Roteiro: Belo Horizonte > Caeté
Distância total: 120km
Data: 19 a 21/07/13

ESTRADA

Saindo de BH, você escolhe o caminho:
  • BR 381 direto até o trevo de Caeté;
  • Ou pegando o anel rodoviário no mesmo sentido e, ao invés de seguir pra BR 381, entrar no trevo para Sabará. A estrada é muito mais tranquila, sem caminhões, e a vista é maravilhosa. Por outro lado, é uma subida cheia de curvas chatinhas em uma estradinha pequena, o que deixa a viagem um pouco mais lenta. Mas, pra fugir dos congestionamentos frequentes da 381, é uma ótima opção.
Estrada entre Sabará e Caeté
Estrada entre Sabará e Caeté

Cachoeira em Morro Vermelho e o Projeto Ovnis Apolo

Chegamos na sexta a tardinha e no sábado resolvemos conhecer algum lugar lá perto. Ficamos sabendo da cachoeira Santo Antônio, que fica em Morro Vermelho, e fomos indo pedindo informações pela estrada (infelizmente não temos um mapa de como chegar lá, mas se você chegar em Raposos ou Caeté, é só pedir informações de onde fica).
Uma das informações que recebemos várias vezes é que NÃO era pra ir e que era perigosíssima pra nadar. Íamos pra conhecer, então partimos mesmo assim.

Claro que nos perdemos.

Fomos parar numa estradinha sinistra, toda sombreada de árvores, com mata fechada ao redor. Por toda a estrada, tinha placas indicando um tal “Projeto Apolo”. Claro que eu fiquei neurótica, e mais ainda quando começamos a ver espelhos pela estrada (esses espelhos de estacionamento). Nem olhava pra eles com medo de ver alguma “coisa” no estilo Bruxa de Blair ou esses filmes baratos de terror na floresta.

Claro (parte 2) que não tinha sinal de celular.

Estrada para Cachoeira de Santo Antônio
Estrada para Cachoeira de Santo Antônio

Andamos infinitamente (sério, não sei porque não voltamos) e chegamos no fim da estrada. O fim era um portão todo cercado, com alguns containeres do outro lado. Eu só pensava em projetos secretos do governo pra estudar ovnis. Um guarda saiu de dentro de um deles e nos explicou como chegar na cachoeira.

Voltamos por toda a estrada do terror e ainda assim naaada do lugar. Por fim, encontramos um casal de carro que também estava perdido e acabamos encontrando a entrada pra cachoeira (é uma plaquinha mínima indicando). O casal desistiu no meio do caminho, porque a estrada estava muito ruim (a gente não desistiu, preferiu aguentar as dores depois). Eu mesma precisei ir a pé em alguns trechos pra não correr o risco de cair com moto e tudo.

Estrada boa pra trilha indo para Cachoeira de Santo Antônio
Piloto amando a experiência e garupa preferindo ir a pé =P

Para os aventureiros de motocross, dá pra chegar pertinho da cachoeira. Mas a gente deixou a moto antes e andamos mais um bom pedaço a pé. Vi em alguns lugares que cobram estacionamento e entrada pra cachoeira, mas quando fomos não teve nada disso.

Trilha para Cachoeira de Santo Antônio, em Morro Vermelho
Trilha para Cachoeira de Santo Antônio, em Morro Vermelho
Cachoeira de Santo Antônio
Cachoeira de Santo Antônio

Como a gente não planejava demorar muito, não levamos nada de comida. O resultado é que voltamos imundos (tem um motivo pra chamar Morro Vermelho: a terra é vermelha e gruda em tudo!), cansados, doloridos e mortos de fome. Não tinha esperança de achar um restaurante aberto as quatro horas da tarde de sábado em uma cidade pequena. Paramos em uma lanchonete mesmo e comemos tudo que tinha lá.

Fiquei sabendo agora, pesquisando sobre o lugar, que tem um restaurante em Morro Vermelho que é “point” do pessoal de motocross. Se chama Alpenrose. Se alguém já foi/for, nos conte se é bom :)

Bom, menos esfomeados, passamos num supermercado e levamos nossa janta: pão de sal quentinho com mortadela. Tem como um jantar mais romântico? HAHAHA <3

A Pousada

Muitas viagens nossas são planejadas assim: encontramos uma oferta boa de pousada e vamos! Essa foi uma dessas, e merece atenção maior porque ficamos boa parte do tempo nela.

Chegamos no final da tarde de sexta na Pousada Serra da Piedade. Na oferta, pagamos R$ 100 a diária com café da manhã + um jantar. Chegando lá, descobrimos que algumas coisas estavam meio muito abandonadas, parecia que estava sem manutenção e que fizeram a oferta pra dar um “up” no lugar.
Os chalés eram bem gostosos, tudo limpinho, mas a hora do banho foi um pesadelo. A água quente do lugar vem de uma serpentina gigante, e aparentemente fica um escravo dia e noite alimentando o fogo pra todo mundo tomar banho. Só que a água quente nunca chegava no chuveiro, no máximo morna. Se você for ficar lá, vale perguntar se já resolveram esse problema…
Aquecimento de água moderno
Aquecimento de água moderno
A pousada tem algumas trilhas pra caminhada, piscina (mas estava frio e nem usamos), quadra e um campo de paintball lá mesmo.

Dicas

  • Se você nunca foi na Serra da Piedade, mas está indo pra Caeté, não deixe de visitar de maneira alguma!
  • Confie nos moradores quando dizem que o lugar é perigoso, principalmente cachoeiras.
  • Sempre, em qualquer hipótese, leve comida e água com você (e um spray pra encher pneu furado e se possível um rádio comunicador, uns sinalizadores e uma lanterna :D).

rosi

Adora viajar, fotografar e escrever. Nos últimos anos aprendeu a gostar de mato, sol e desapegar de malas gigantes. Dramática, mas não tão fresca quanto parece =P